Em parceria com dois colegas que atuam no IC2 Institute da University of Texas, nós desenvolvemos um estudo, que será publicado na Revista Brasileira de Gestão de Negócios, acerca da ideia de que o paradigma padrão da escolha apoia-se na premissa de que os indivíduos formam suas preferências entre alternativas caracterizadas por probabilidades e resultados. Contudo, uma pergunta que parece inevitável é: o que acontece quando, em uma situação do mundo real, não existe noção acerca da probabilidade, tampouco das consequências de determinado evento? A essa situação, assume-se a existência de um contexto de ignorância. Em paralelo, pesquisas com foco no nível do indivíduo tendem a assumir papel de maior relevância, já que representam uma nova classe de ativos, com potencial de alcançar um valor ao redor de US$ 4,1 trilhões, a partir de novas tecnologias suportadas pela internet.

Nesta pesquisa, nós examinamos se a ausência de informação relevante para tomada de decisão acerca da aquisição de um determinado tipo de seguro influencia o julgamento do indivíduo consumidor. Nós examinamos especificamente se a informação relativa à probabilidade de quebra de equipamentos domésticos, bem como ao custo de reparo desse ativo, influencia a disposição do indivíduo para adquirir o seguro de garantia estendida. Nós verificamos ainda justificativas apresentadas pelos indivíduos para a decisão de comprar (ou não) esse seguro.

Esse tópico é interessante não apenas para pesquisadores, mas também para gestores de indústrias de bens duráveis e de seguros, além de ser relevante para agentes reguladores. O mercado de seguros possui explícita condição de crescimento, desde que as empresas que oferecem proteção conheçam as demandas dos consumidores desse tipo de produto financeiro, e ainda que os consumidores tenham conhecimento dos serviços prestados pelas companhias seguradoras. É nesse contexto que a insuficiência de informações necessárias à tomada de decisão econômica recebe maior atenção, sobretudo em mercados nos quais o nível típico de instrução formal seja reduzido, e mesmo entre os indivíduos mais instruídos, o desconhecimento de produtos financeiros parece existir.

O nosso desenho de pesquisa emprega dados coletados em dois experimentos, dos quais tomaram parte mais de 130 indivíduos voluntários. Os indivíduos foram organizados em dois grupos, e participaram de suas sessões de coleta de dados em momentos distintos. Um dos grupos recebeu informações a priori, e respondeu a um conjunto de perguntas acerca de sua disposição para adquirir o seguro. O outro grupo iniciou o experimento sem estar munido de informações relevantes para a decisão de comprar o seguro, e respondeu às mesmas perguntas. 

O nosso estudo oferece dois resultados principais. Primeiro, considerando o agregado de observações, a disponibilização de informação acerca da probabilidade de quebra do produto, bem como do custo de reparo, não parece influenciar significativamente a disposição do indivíduo a adquirir a proteção financeira para eletrodomésticos. Isto sugere que tipicamente as pessoas não alteram de maneira significante sua disposição para adquirir seguro de eletrodomésticos, estando ou não em contexto de decisão sob ignorância. Segundo, nós encontramos resultados que sugerem que, sob situação de ignorância, os prêmios mais elevados para o seguro inibem a disposição do indivíduo para adquirir a proteção. Isto sugere que, acaso o indivíduo esteja munido de informações acerca da probabilidade de quebra e custos de reparo, prêmios mais altos não influenciam significativamente a disposição do consumidor a adquirir o seguro.

Este estudo faz diferentes contribuições para a literatura. Nós contribuímos para a literatura de modelos descritivos da tomada de decisão, tendo em vista que trazemos evidências relativas ao comportamento de indivíduos em situações de ignorância. Além disso, trazemos contribuição para a teoria normativa da escolha, na medida em que mais estudos sobre decisões em contexto e ignorância em ambientes institucionais característicos de mercados emergentes ainda são aspecto merecedor de esforço de pesquisa. Em se tratando de implicações prescritivas para escolhas individuais, este trabalho pode ser contributivo para proporcionar informações a consumidores acerca da probabilidade e custos de reparo de eletrodomésticos. Nós também contribuímos para reguladores, pois trazemos evidências acerca de potenciais impactos de programas que promovam o disclosure de produto, sejam bens duráveis ou serviços financeiros prestados por companhias de seguros.